Ciência Natureza

Cientistas acabaram de descobrir um monte de novos animais

A floresta nebulosa caracterizou grande parte da área pesquisada na expedição Zongo RAP. Espessas camadas de musgo, com orquídeas abundantes, samambaias e bromélias intercaladas entre bambu e árvores adaptadas ao clima. Foto: Trond Larsen/Conservação Internacional
Existem cerca de 8,7 milhões de espécies de animais conhecidas na Terra.

Mas é sempre emocionante saber quando os cientistas encontram alguma criatura misteriosa que eles não sabiam que existia ou redescobrir uma que não era vista há anos. Quando se trata de biodiversidade, mais é sempre melhor.

O ‘sapo lilliputiano’ (Noblella sp. nov.) mede aproximadamente 1 cm de comprimento o que pode torná-lo o menor anfíbio dos Andes, e entre os menores do mundo. Devido ao seu tamanho minúsculo e hábito de viver em túneis sob as grossas camadas de musgo e húmus na floresta nebulosa, eles eram difíceis de encontrar mesmo rastreando seus chamados frequentes. Noblella é um gênero de sapos da família Craugastoridae. Eles são encontrados nos Andes e na Bacia Amazônica na Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e oeste do Brasil.


Em uma viagem até a região do Vale do Zongo dos Andes, uma equipe de pesquisadores liderada pelo biólogo Trond Larsen, que trabalha com o grupo de defesa da proteção ambiental Conservation International, catalogou recentemente não uma, não duas, mas 20 espécies que os cientistas não sabiam que existiam. Eles se depararam com algumas espécies super raras, também, que não eram totalmente desconhecidas pela comunidade científica, mas não eram vistas há muito tempo, bem como algumas mais comumente vistas que são simplesmente incríveis.


A cobra da “bandeira boliviana” (Eutrachelophis sp. nov.), uma cobra terrestre esbelta com cores vermelhas, amarelas e verdes semelhantes à bandeira boliviana. Esta nova espécie de cobra diurna foi encontrada na espessa vegetação rasteira da floresta ao longo da crista da montanha na elevação mais alta pesquisada durante o Zongo RAP na Bolívia.
“Essas descobertas são o resultado de 14 dias de intenso trabalho de campo espalhados pelo terreno acidentado, florestas enevoadas e cachoeiras no Zongo, uma paisagem verdadeiramente bonita e diversificada”, disse Larsen em um comunicado enviado por e-mail. “A notável redescoberta de espécies outrora consideradas extintas, especialmente tão perto da cidade de La Paz, ilustra como o desenvolvimento sustentável que abraça a conservação da natureza pode garantir a proteção da biodiversidade a longo prazo, bem como os benefícios que os ecossistemas proporcionam às pessoas. Esta área tornou-se um porto seguro para anfíbios, répteis, borboletas e plantas que não foram encontradas em nenhum outro lugar da Terra.” [Gizmodo]


O sapo “olhos do diabo” acima (Oreobates zongoensis), que antes era conhecido apenas por um único indivíduo observado há mais de 20 anos no Vale do Zongo, foi redescoberto na expedição zongo RAP na Bolívia. Verificou-se que era relativamente abundante na floresta, onde não era visto há mais de 20 anos. Expedições anteriores tentando encontrar este sapo preto com olhos vermelhos chegavam de mãos vazias. Sua natureza esquiva pode ser em parte devida ao seu hábito de se esconder sob o musgo espesso e húmus ao redor das raízes do bambu.


Cientistas descobriram este sapo acima conhecido como um mercedesae Yunganastes, no alto dos sopés andinos da Bolívia. É um sapo super raro que antes só era visto em quatro locais na Bolívia e um no Peru. “Não sabemos muito sobre esse sapo, pois é tão raro, mas encontramos um indivíduo no solo da floresta enquanto caminhava à noite com uma lanterna durante uma chuva forte”, disse Trond. “Com base em sua aparência, é provável que este sapo suba em árvores, o que pode ser uma das razões pelas quais é difícil de encontrar, e o que encontramos pode ter caído de uma árvore na chuva.”


A lagarta de uma borboleta Morpho acima que se alimenta de bambu na floresta do Vale do Zongo, na Bolívia. A coloração azul brilhante das borboletas Morpho as torna muito procuradas por colecionadores, e essas espécies têm valor comercial e de ecoturismo. Foto: Trond Larsen/Conservational International

Acima uma mariposa (Euptychoides fida). Cientistas pensaram que ela tinha desaparecido da região. Esta espécie não era vista há 98 anos. Ela é conhecida por viver dentro e ao redor do Vale do Zongo. Pesquisadores usaram frutas podres e esterco para capturar este espécime. Foto: Yuvinka Valdez

Facebook Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *