Natureza

Cientistas descobriram quase 2 bilhões de árvores no deserto do Saara

Cientistas europeus descobriram a existência de 1,8 bilhão de árvores no meio do Deserto do Saara. Um dos locais mais improváveis para o surgimento de floresta, está agora com uma imensa e promissora área verde!

Cientistas descobrram quase 2 bilhões de árvores no deserto do Saara

deserto do saara
Foto: Adam Jones, Ph.D. | Wikimedia Commons

“Foi uma grande surpresa descobrir que algumas árvores são capazes de crescer no deserto do Saara, uma região onde a maioria das pessoas acreditava que isso não seria possível – até agora.”, conta Martin Brandt, geógrafo da Universidade de Copenhagen que liderou o estudo.

Comediante arrecada R$ 136 milhões para ajudar bombeiros na Austrália
morrisons
Supermercado na Inglaterra começa testar sacolas de papel, em substituição às sacolas plásticasMartin coordena uma equipe de pesquisadores que vieram da Alemanha, França, Senegal, Bélgica e da Nasa, somente para entender e estudar essa nova floresta.

Eles utilizaram imagens de um satélite de alta precisão e inteligência artificial para identificar as árvores e os pontos certos que elas surgiram.

“Árvores fora das áreas ocupadas por florestas não são comuns dentro dos modelos climáticos que usamos e sabemos muito pouco sobre a sua capacidade de estocar carbono. Elas são um elemento desconhecido no ciclo do carbono”, explica Martin.

deserto
Foto: Dr. Martin Brandt
Novas possibilidades
Para a ciência, a descoberta destas árvores é uma grande surpresa da natureza. Nos últimos anos, vários cientistas realizaram um censo e descobriram que há cerca de 3 trilhões de árvores no mundo, divididas em 60 mil tipos.

No caso das árvores do deserto, elas podem representar novas espécies, que favoreceriam o cenário de mudanças climáticas.

Por exemplo, é muito mais simples criar planos de ação para conservar as grandes áreas verdes do planeta, do que desenvolver ações para reflorestamento.

“Sem esta tecnologia, não poderíamos ter descoberto e mensurado o tamanho desta floresta. Acredito que este pode ser o início de uma nova era nas pesquisas científicas”, explica Martin.

FONTE: CicloVivo

Facebook Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *