Natureza Universo

NASA alerta: Dois gigantescos asteróides estão vindo para as festas de fim de ano


Uma das robustas rochas espaciais mede até 2.034 pés (620 metros) de diâmetro e deve passar pela Terra em 26 de dezembro.

Chamado de 2000 CH59, o corpo celeste é maior que o Empire State Building

A NASA identificou que um asteroide gigantesco passará perto da Terra no dia 26 de dezembro, logo após o Natal. Com até 620 metros, o corpo celeste é maior que o Empire State Building e a Torre Eiffel.


O segundo é chamado 310442 (2000 CH59) e é de tamanho semelhante. Ele também passará pela Terra a uma distância comparável e não oferece riscos (ufa!)

O asteroide é chamado de 2000 CH59, em referência ao ano que foi avistado pela primeira vez, e está viajando a uma velocidade de 44.172 km/h, de acordo com dados da agência espacial.

Mesmo sendo grande e rápida, a pedra espacial não deve aparecer embaixo da árvore de Natal de ninguém durante os feriados de fim de ano. A distância mais próxima que o 2000 CH59 deve chegar da Terra é 7.291.400 km.

Considerando a escala do nosso sistema solar, a distância não é tão grande, mas ainda é segura: o número é aproximadamente 19 vezes maior que o espaço entre o planeta Terra e a Lua.

Dobradinha espacial
Antes da visita do 2000 CH59, a NASA também prevê que mais um asteroide passará perto da Terra. No dia 20, o 216258 2006 WH1, que mede “apenas” 600 metros e tem poder para dizimar uma cidade grande, também deve passar na nossa órbita, com uma distância segura de aproximadamente 6 milhões de quilômetros.

Em ambos os casos, os asteroides são classificados como “objetos próximos da Terra” e que não oferecem ameaça ao planeta. Com isso em mente, tudo deve ficar bem em relação aos pedregulhos espaciais, a menos que algum vilão ao estilo de quadrinhos surja e consiga, de maneira sobre-humana, desviar a rota das rochas celestes.

De qualquer forma, vale lembrar que a NASA já está trabalhando para lidar com situações envolvendo um apocalipse vindo do espaço. Além de realizar simulações de colisões com frequência, a agência espacial anunciou este ano uma parceria com a SpaceX para desenvolver um sistema de defesa contra asteroides.

Ambas as rochas passarão rapidamente e deixarão todos nós para desfrutar do nosso peru de Natal, em vez de colidir com a Terra, matando milhões e forçando muito mais a uma brutal luta pela sobrevivência em um mundo pós-cataclismo.

Um novo estudo assustador revelou recentemente que asteróides grandes o suficiente para matar milhões de pessoas atingem a Terra com muito mais frequência do que se acreditava anteriormente.

Os cientistas analisaram a Cratera de Wolfe Creek, que se acredita ser a segunda maior cratera de impacto da Terra, e descobriram que a colisão cósmica ocorreu mais recentemente do que o esperado.

Mas antes de falarmos sobre como você deve estar nervoso, vale um lembrete rápido dos diferentes tipos de objetos espaciais.

Um asteróide é feito de rocha ou metal, enquanto um cometa é feito de gelo e gás.

Eles se tornam meteoros quando atingem nosso planeta e os objetos que caem na Terra sem queimar são chamados meteoritos.

A Cratera Wolfe Creek foi formada quando um meteorito de 15 metros de largura, pesando cerca de 14.000 toneladas, caiu no chão a uma velocidade de 17 quilômetros por segundo, disseram os pesquisadores.

Ele explodiu com a força de 0,54 megatons de TNT – o que equivale aproximadamente a 36 das bombas nucleares lançadas em Hiroshima durante a Segunda Guerra Mundial.

Pesquisas realizadas por uma equipe internacional liderada pelo professor Tim Barrows, da Universidade de Wollongong, descobriram que o objeto provavelmente nos atingiu há 120.000 anos – muito mais recentemente do que a estimativa anterior de 300.000 anos.

Essa descoberta levou o Barrows a aumentar a estimativa de quantas vezes somos atingidos por objetos de tamanho semelhante.

Ele afirmou que um impacto semelhante poderia ocorrer aproximadamente a cada dois séculos.

“Embora a taxa seja apenas um grande meteoro que atinge a Austrália a cada 17.000 anos, não é tão simples”, disse ele.

“As crateras são encontradas apenas nas regiões áridas da Austrália. Em outros lugares, as crateras são destruídas por atividades geomórficas, como migração de rios ou processos de declive nas montanhas.

‘Como a Austrália tem um excelente registro de preservação com crateras datadas dentro da zona árida, podemos extrapolar uma taxa para toda a Terra.

“Considerando que a árida Austrália é apenas cerca de um por cento da superfície, a taxa aumenta para uma a cada 180 anos ou mais.

Esta é uma estimativa mínima, porque alguns impactos menores provavelmente foram cobertos por areia durante a era glacial. O número de objetos grandes provavelmente é 20 vezes esse número, porque os meteoritos pedregosos são muito mais comuns, mas não tantos que sobrevivem à jornada de fogo pela atmosfera ou efetivamente crateram.

“Nossos resultados nos dão uma idéia melhor da frequência desses eventos.”

Escrevendo sobre um impacto de um objeto de tamanho semelhante em um post sobre o Quora, o matemático e especialista em espaço Robert Walker escreveu: ‘produziria uma cratera com 46 quilômetros de diâmetro.

‘A tempestade de fogo, incluindo detritos lançados ​​e o início de novos incêndios, se estenderia a 600 km do ponto de impacto.

‘Haveria terremotos regionais, furacões e tsunami (se atingissem o mar). Céus mais escuros do que a nuvem mais escura do pó jogado na atmosfera superior, a temperatura global cai 8 graus Celsius por uma semana e efeitos globais moderados por meses. Nenhum verão naquele ano poderia ser registrado.

‘O crescimento das plantas é interrompido há anos e existem algumas falhas de safras globais e algumas extinções regionais. Somos atingidos por um desses a cada meio milhão de anos, em média.

Facebook Comments Box

Leave a Reply

Your email address will not be published.